Em vez de assim

Comecei a escrever aqui um post que falava sobre o Benfica, e a derrota que sofreram contra o Porto, e a que provavelmente sofrerão contra o Zenit. Depois achei que era melhor não falar de futebol neste blogue. Primeiro, porque não tenho nada de jeito para dizer. Sempre me aborreceu imenso falar de futebol e ouvir falar de futebol, apesar de gostar do desporto em si e do Benfica em particular. Segundo, porque aquilo de que eu realmente queria falar era sobre o conto que comecei a escrever ontem.

Comecei ontem à tarde, depois de várias semanas a pensar que queria escrever algo. O problema estava no caminho que eu estava a tentar seguir, ainda apenas mentalmente. Tinha uma ideia real, uma coisa em que queria pegar e explorar na ficção, mas estava a colocar o enfoque no real em vez de na ficção. Ontem, finalmente, segui o outro caminho e pensei: então e como é que isto seria se acontecessem estas outras coisas? Visto agora, parece-me tão estupidamente óbvio que não sei como pude andar tanto tempo à procura de uma resposta tão simples. No fundo, é uma coisa que fazemos diariamente — várias vezes durante o dia, muitas vezes à noite, quando nos deitamos: o que aconteceria se em vez de assim, as coisas pudessem ser assim? É a isso que vou tentar responder com o meu conto. A um isso que é assim, mas que poderia ser de outra forma.

Num dos últimos posts, escrevi sobre o equilíbrio entre aquilo que sei e aquilo que não sei, quando parto para a escrita. Neste conto, creio que esse equilíbrio está onde eu quero que ele esteja sempre. Sei como a história começa, sei qual é o objectivo da personagem principal, sei onde ocorre a acção, sei até o título do conto. Não sei como vai correr. Não sei o que é que a personagem vai encontrar. Não sei como vai reagir. Não faço a mínima ideia de como vai acabar. Vou tentar descobrir nos próximos dias.

2 comentários

  1. Boa sorte com isso. Depois quero ler. Btw, espero que tenhas o meu livrinho (o outro que reservei) bem guardado à minha espera.

    ResponderEliminar
  2. Obrigado, Rute. Está guardado, sim. Temos de falar sobre isso.

    ResponderEliminar