A água nas minhas mãos

Disse que me ia embora de manhã cedo, Gretchen, mas não sabia o que estava a dizer, acredita. Agora só parto quando vieres comigo. Depois do almoço digo-te o que penso. Mas, antes de tudo, queria que me indicasses o caminho para o rio. Preciso de lá ir agora mesmo e de sentir a água nas minhas mãos.

“O Rio Quente”, Erskine Caldwell

Sem comentários

Enviar um comentário